Browse By

Juliano Gauche estreia Bombyx Mori ao vivo

 

Juliano Gauche lançou Bombyx Mori em 07/02

Em Bombyx Mori, Juliano Gauche se dedica à reflexão sobre a natural mudança de tudo que nos permeia. Foto por: Ellen Flegler

Neste sábado (15/02), Juliano Gauche fará o lançamento ao vivo de seu mais recente trabalho, o EP Bombyx Mori. Lançada pelo selo Índigo Azul, a obra coloca o compositor em um estado contemplativo sobre o caráter mutável da vida  – principalmente pensando na mudança como uma chance para a correção de dores e desvios na vida.

O EP conta com três músicas chamadas Bombyx Mori; juntas dão ao trabalho pouco mais de seis minutos de duração. Sobre o nome escolhido, Juliano explica: “Bombyx Mori é uma expressão que encontrei na literatura espírita referente à capacidade que nossa natureza tem de se transformar completamente. É o nome científico do bicho-da-seda, mariposa recorrente quando se trata de simbolizar o processo de metamorfose. Transformações inevitáveis, como essa, foi o centro das minhas concentrações ao escrever as três canções que compõe este EP”.

Além da voz e dos violões, a sonoridade lo-fi é reforçada com o apoio de belos arranjos de melotron, piano e synths. Para os instrumentais, Juliano Gauche contou com as contribuições de Klaus Sena, Vitoriano e Kaneo Ramos.

A estreia ao vivo do trabalho acontece em São Paulo, no próprio selo Índigo Azul (rua Arapiraca, 343, Vila Madalena). Os ingressos custarão R$ 25 e a apresentação começará às 20h.

Confira as letras do EP abaixo:

1_

de um céu azul desaba, de leve como flor, a hora de sumir dentro de nós. e o corpo entende a intenção da dor e se desfaz em outros campos de correr e ir. e a razão, abrindo as asas, devolve aos pés tudo outra vez.

2_

se andei demais, nem vi. enquanto andei eu segurava minha cabeça em vão. como quem quer guardar a hora e a hora explode.

3_

e no mais, quem dirá quando foi que nasceram esses olhos embaixo do escuro do céu? e na estranheza singela do sol que agita as forças do coração a saudade do amor? quem sozinho, procurando, não se entrega? eu me entreguei a você, antes que nada de mim. e amando, sem ter medo, me abri.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *